Home/ Noticias/ DEPOIS DE MUITA LUTA, TRABALHADORES CONQUISTAM MANUTEN

DEPOIS DE MUITA LUTA, TRABALHADORES CONQUISTAM...

DEPOIS DE MUITA LUTA, TRABALHADORES CONQUISTAM MANUTENÇÃO DOS DIREITOS E REAJUSTE ACIMA DA INFLAÇÃO
Por Suely Torres
 
1CampanhaSP2017
(Fotos: Paulo Rogrio "Neguita")
 
Como ocorreu no ano passado, o sindicato patronal, ao invs de acatar a Pauta de Reivindicação dos Trabalhadores, apresentou uma pauta de reivindicação dos patrões e, pasmem, retirando vrios direitos da nossa Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).
 
Entre os direitos que os patrões queriam retirar da nossa CCT estavam as clusulas sobre a homologação e a CIPA. Alm disso, os patrões queriam congelar o valor da PLR e do Dia do Padeiro, diminuir o horrio do almoço para 30 minutos e pagar um piso salarial menor para os trabalhadores em perodo de experiência.
 
Indignado com a postura do patronal, o nosso Sindicato argumentou que era impossvel para a categoria perder mais alguma coisa para os patrões, pois, desde que começou essa maldita crise, apenas os trabalhadores e o povo têm perdido direitos, pagando uma conta que não deles.
 
Diante da negativa por parte do nosso Sindicato em aceitar a indecente proposta dos empresrios, o sindicato patronal recuou e apresentou uma proposta de reajuste linear de 2,50% nas clusulas econômicas, aumento de 10,45% na Cesta Bsica, aumento de 6,30% no valor do Dia do Padeiro e manutenção das clusulas da Convenção Coletiva de Trabalho anterior, a qual foi aprovada pelos trabalhadores em assembleia.

A LUTA PARA MANTER OS DIREITOS E CONQUISTAR REJUSTE SALARIAL!
 
2CampanhaSP2017
 
A nossa Campanha Salarial de São Paulo, assim como a da categoria no ABC em junho, não foi nada fcil. Os patrões, como j haviam tentado fazer no ano passado, queriam retirar da Convenção Coletiva de Trabalho anterior direitos conquistados pelos trabalhadores h dcadas.
 
O principal e nico argumento dos representantes dos empresrios que a crise econômica que assola o pas est prejudicando os lucros dos patrões. Segundo o sindicato patronal, o setor est sendo bastante prejudicado e, portanto, não tem condições de reajustar os salrios e nem manter algumas clusulas da CCT, proposta que foi prontamente rejeitada pelo nosso Sindicato.
 
Se valendo da nova Lei Trabalhista, o sindicato patronal de pronto j queria tirar a homologação da CCT, o que significaria fazer as homologações nas empresas sem a presença do nosso Sindicato, deixando os trabalhadores nas mãos dos patrões, sem qualquer proteção, no caso de erros nos clculos demissionrios.
 
Outra prola do patronal que tambm est na Lei da Reforma Trabalhista era diminuir o horrio de almoço da categoria de 1 hora para 30 minutos. “Ora senhores, o horrio do almoço de 1 hora não serve apenas para os trabalhadores fazerem a refeição, ela fundamental para a recomposição do organismo para enfrentar o segundo perodo de trabalho. 
 
Diz respeito, tambm, a sade e segurança do trabalhador, pois o organismo precisa desse tempo para manter a atenção necessria ao exerccio das funções.” Argumentou Chiquinho Pereira, presidente do nosso Sindicato, aos empresrios.
 
Alm das duas reivindicações acima citadas, os empresrios queriam que os trabalhadores aceitassem um piso salarial diferenciado (a menor) para os trabalhadores em perodo de experiência, congelar a PLR, o valor do Dia do Padeiro e retirar a clusula da CIPA. O nosso Sindicato rejeitou todas as propostas do patronal.
 
Diante da rejeição e da ofensiva do nosso Sindicato e dos trabalhadores, o sindicato patronal apresentou a proposta de reajuste linear de 2,50% nas clusulas econômicas, aumento de 10,45% na Cesta Bsica, aumento de 6,30% no valor do Dia do Padeiro, a Homologação continuar sendo feita no Sindicato e manutenção das clusulas da Convenção Coletiva de Trabalho anterior.
 
Temos alertado os trabalhadores da nossa categoria que a tendência essa situação piorar. Por isso, o nico caminho fortalecer o nosso Sindicato, continuar contribuindo com as arrecadações e taxas sindicais, participando das assembleias, reuniões e seminrios, pois, com a nova Lei, os patrões estão vidos e bem vontade para retirar nossos direitos e conquistas. Para os trabalhadores s resta a unidade, a mobilização e o fortalecimento de suas lutas. Diz Chiquinho Pereira.

IMPORTANTES AVANÇOS!
 
3CampanhaSP2017
 
Mas nem tudo foi ruim nessa Campanha Salarial. O nosso Sindicato conseguiu colocar na nossa Convenção Coletiva de Trabalho uma clusula contendo os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentvel (ODS), seguindo a orientação da Organização Internacional do Trabalho (OIT). 
 
Os sindicatos convenentes comprometem--se a promover ações e debates com a sociedade para aderir aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentvel (ODS). Previsto na agenda mundial que conta com 17 objetivos e 169 metas a serem adotadas at 2030, essa Agenda Global foi adotada pelas Nações Unidas em 2015 e assinada por 193 pases, entre os quais o Brasil. 
 
Os sindicatos têm como objetivo a defesa dos interesses do setor econômico e da sociedade em geral, e realizam esse trabalho, partindo da ideia de que unidos esses homens e mulheres são mais fortes e capazes de promover mudanças.
 
A ação sindical aborda questões que vão alm do debate sobre salrios e condições de trabalho. Sade, educação, segurança, mobilidade urbana e outros temas impactam a vida do trabalhador, da trabalhadora e de seus familiares, permeando seus medos, sonhos e desafios. 
 
Essa realidade tambm transforma a capacidade de interação dos sindicatos com outros interlocutores: poder pblico, meios de comunicação, universidade e outras organizações que ampliam o aspecto e o trabalho
desenvolvido pelas entidades sindicais. 
 
Outra questão importante nessa luta foram os Acordos realizados nas empresas, onde os trabalhadores conquistaram reajustes bem acima da inflação, alm da manutenção das clusulas do Acordo anterior. Mas, para isso, os trabalhadores se organizaram, participaram das assembleias e não se intimidaram com a ganância dos patrões. Isso s confirma o que temos falado para a toda categoria: a unidade, mobilização e a luta são as alternativas dos trabalhadores na luta para manter as conquistas e ampliar os direitos!
 
conquistas