Home/ Noticias/ FALTA DE EMPREGO AFETA 26,8 MILHES DE BRASILEIROS

FALTA DE EMPREGO AFETA 26,8 MILHÕES DE BRASILEIROS

FALTA DE EMPREGO AFETA 26,8 MILHÕES DE BRASILEIROS
 
desemprego2017
(Fonte: Internet)
 
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica (IBGE) divulgou, no dia 17 de novembro, dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domiclios Contnua (Pnad Contnua), sobre a taxa composta de subutilização da força de trabalho. 
 
De acordo com os dados obtidos, a taxa composta de subutilização da força de trabalho passou de 23,8% no segundo trimestre de 2017 para 23,9% no terceiro trimestre. Ou seja, significa que, no segundo trimestre, faltaram oportunidades de emprego para 26,3 milhões de brasileiros, porm, no terceiro trimestre, esse nmero aumentou para 26,8 milhões de pessoas que se encontravam nessas condições. A porcentagem do terceiro trimestre, em comparação com o ano passado, aumentou 2,7%.
 
Dentre os fatores que influenciam o indicador estão: taxa de desocupação; taxa de subocupação por insuficiência de horas e a taxa da força de trabalho potencial, pessoas que não estão em busca de emprego, mas estariam disponveis para trabalhar.
 
Ainda no 3 trimestre de 2017, 38,2% das pessoas em idade para trabalhar foram classificadas como fora da força de trabalho, o equivalente a 64,5 milhões de brasileiros. A maioria desse percentual composta por nordestinos, sendo que a região nordeste apresentou uma parcela de 45,3% de pessoas fora da força de trabalho, a maior em relação s outras regiões. J as mulheres representavam um total de 65,1%.
 
“Se você quer gerar polticas que ajudem as pessoas a conseguirem emprego tem de ficar atento a essa taxa (de subutilização da força de trabalho). Ela mostra, por exemplo, quem quer trabalhar e não pode porque não tem creche para deixar os filhos”. Explica Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, se referindo a situação empregatcia das mulheres.
 
Os nmeros são apenas um reflexo de que, apesar do desemprego atingir toda a população brasileira, infelizmente, os ndices dos mais afetados ainda são influenciados por questões de gênero, cor e procedência nacional, como o caso dos nordestinos.